Wikia

Infomedica Wiki

CONSEQUÊNCIAS DO JEJUM PROLONGADO

Discussão0
201 pages em
Este wiki

Editor: Thalita Mayra Pereira da Costa

Colaboradores: Cleisi Pezzini Sandri, Debora de Fátima Bolz Arruda e Ricardo Araújo Alves

Introdução

O jejum é um estado no qual o indivíduo não ingere alimentos durante um tempo mínimo de 6 horas, sendo o jejum prolongado caracterizado pela falta de ingestão de alimentos durante um período superior a 72 horas. São diversos os motivos que induzem as pessoas a praticarem jejum, entre os quais existem motivações religiosas, como o período da quaresma para os católicos, ou o ramadã para os muçulmanos. Não rara é a prática de greve de fome, na qual o indivíduo se priva da alimentação em protesto contra alguma situação. Além das razões mencionadas para a realização do jejum, existem situações clínicas que impedem o enfermo de consumir alimentos por causa de determinada doença. Um organismo humano saudável possui uma reserva de energia composta por gorduras, proteínas e açúcares. As gorduras são estocadas no tecido adiposo e constituem cerca de 85% das fontes de energia do corpo, as proteínas compõem em torno de 14% e os carboidratos (açúcares) somente 1%.

No entanto, o jejum é prejudicial à saúde porque o organismo é dependente de quantidades constantes de glicose (açúcar) para sobreviver, não sendo a quantia de carboidrato armazenada o suficiente para manter constante o nível de glicose no corpo.

A fim de gerar energia o organismo precisa degradar os carboidratos e transformá-los em glicose, bem como quebrar as proteínas em subunidades chamadas aminoácidos e reduzir as gorduras a ácidos graxos. Glicose, aminoácidos e ácidos graxos são substratos usados pelas células do corpo como combustível para realizar tarefas necessárias a sobrevivência do organismo.

Grandes quantidades de glicose são armazenadas sob a forma de glicogênio, principalmente no fígado, assim como aminoácidos formam as proteínas e são estocados em maiores proporções nos músculos e os ácidos graxos compõem os triacilgliceróis e constituem as reservas do tecido adiposo.

Durante as primeiras horas de jejum, a quantidade de glicose, aminoácidos e ácidos graxos que circulam no sangue diminui progressivamente, sendo essa baixa concentração responsável pela redução da quantidade de insulina secretada, ao passo que provoca um aumento da liberação de glucagon.

Fígado
Fonte: www.virtual.epm.br
ThalitaMAdicionada por ThalitaM

A insulina e o glucagon são hormônios produzidos e liberados pelo pâncreas e são responsáveis pela regulação do metabolismo (processos físicos e químicos que acontecem no corpo) da glicose, dos ácidos graxos e das proteínas. Os dois hormônios têm funções opostas: enquanto a insulina desempenha papel importante no armazenamento de energia, promovendo a retirada dos substratos usados como combustível do sangue e estocando-os, o glucagon determina uma elevação da quantidade de fontes de energia no sangue para serem usadas pelas células do corpo. Assim, a insulina diminui a quantidade de glicose, aminoácidos e ácidos graxos do sangue, enquanto o glucagon promove um aumento dos mesmos; ao mesmo tempo em que a insulina aumenta a quantidade de glicose, aminoácidos e ácidos graxos no fígado, músculos e tecido adiposo respectivamente, enquanto o glucagon determina uma redução desses. Havendo durante o jejum uma pequena quantidade de substratos e de insulina circulando no sangue, porém uma grande concentração de glucagon, ocorre um período de catabolismo, durante o qual as reservas de energia do corpo são quebradas e disponibilizadas às células para serem utilizadas. Assim, na tentativa de fornecer glicose ao cérebro e aos outros tecidos que dessa dependem e abastecer outros tecidos de corpos cetônicos advindos dos ácidos graxos, acontece uma troca de substratos entre o fígado, os músculos, o tecido adiposo e o cérebro.


O fígado no jejum

A primeira fonte de energia a ser usada são os carboidratos e, para tanto, reservas de glicogênio no fígado são degradadas fornecendo glicose, um processo chamado glicogenólise. A glicose resultante é liberada no sangue e abastece principalmente o cérebro, além dos demais tecidos que requerem esse substrato. Após 10 a 18 horas de jejum o glicogênio do fígado encontra-se quase esgotado. No entanto, 4 a 6 horas depois da última refeição começa um processo de formação de glicogênio a partir de substratos que não são glicose, como aminoácidos e glicerol (utilizado na síntese de triacilgliceróis do tecido adiposo). Tal processo é denominado gliconeogênese e ajuda a manter os níveis de glicose no jejum prolongado.

O fígado não só é responsável pela glicólise e gliconeogênese, mas também é capaz de converter gorduras em corpos cetônicos, os quais servem de combustível para a maioria dos tecidos, sendo usados inclusive pelo cérebro quando estão em grandes concentrações no sangue circulante.


O tecido adiposo no jejum

O armazenamento de ácidos graxos no tecido adiposo durante o jejum encontra-se paralisado, porém a degradação dos triacilgliceróis, que constituem o tecido adiposo, está aumentada. Os produtos da quebra de triacilglicerol são ácidos graxos e glicerol. Enquanto os primeiros são liberados no sangue e transportados para diversos tecidos servindo como fonte de energia, o último é usado pelo fígado para produzir glicogênio através da gliconeogênese anteriormente mencionada.


O músculo no jejum

Até as duas primeiras semanas de jejum, o músculo utiliza como fonte de energia os ácidos graxos e os corpos cetônicos, uma vez que as quantidades de glicose e insulina para transportá-la não são suficientes. No entanto, após esse período, os músculos passam a usar mais ácidos graxos, de forma que sobram muitos corpos cetônicos no sangue, pois esses deixam de ser empregados pelos músculos.

Devido à necessidade do fígado de formar glicogênio a partir de aminoácidos na gliconeogênese, acontece durante os primeiros dias de jejum uma rápida quebra das proteínas dos músculos. Assim, a massa muscular do indivíduo em jejum sofre uma forte redução. Depois de muitas semanas de jejum, a degradação de proteínas dos músculos diminui, já que o cérebro passa a usar mais corpos cetônicos, não necessitando de glicose.


O cérebro no jejum

Nos primeiros dias o cérebro continua empregando glicose como combustível, sendo que a mesma é fornecida pela quebra de glicogênio, o qual, por sua vez, é produzido principalmente através de aminoácidos dos músculos. Após 2 a 3 semanas de jejum os corpos cetônicos, que estão em quantidades elevadas na circulação já que os músculos passam a usar somente ácidos graxos, substituem a glicose e se tornam a fonte de energia do cérebro. Assim, nesse momento do jejum, ocorre uma queda da velocidade de degradação de proteínas musculares.


Alterações fisiológicas no jejum

Hálito cetótico
Fonte: www.todaperfeita.com.br
ThalitaMAdicionada por ThalitaM

Entre as diversas alterações sofridas pelo organismo durante o jejum estão: redução acentuada da gordura corpórea, aumento dos ácidos graxos e da glicose circulantes no sangue, perda de massa muscular, diminuição do número de células de defesa imunológica, bem como redução da quantidade de vitaminas.


Manifestações clínicas

Arquivo:Magreza.gif
Fonte: www.portaldiabetes.com.br

Como consequência das mudanças fisiológicas que ocorrem durante o jejum acontecem algumas manifestações clínicas tais como: perda progressiva de peso, sensação de fraqueza, anemia, inchaço, maior suscetibilidade a infecções, comprometimento da fase alimentar, intolerância a alimentos, alteração do humor com acentuada irritabilidade e mau hálito, entre outros.

Calcula-se que seja possível permanecer, em média, 60 dias sem comer. Caso mais de um terço das reservas de proteínas corporais sejam utilizadas para geração de energia, o indivíduo em jejum corre sérios riscos de entrar em óbito, pois suas funções vitais podem ser fatalmente prejudicadas por uma possível falência de diversos órgãos.

Para que as atividades do corpo voltem ao estado normal de funcionamento vários dias são necessários, sendo que nos primeiros dias deve ser ingerida uma quantidade de calorias baixas e gradativamente deve ser aumentada até atingir o valor necessário de calorias que um indivíduo normal deve ingerir diariamente.


Referências

Champe PC, Harvey RA. Bioquímica Ilustrada. 2. ed. Porto Alegre: Artes médicas sul (ARTMED), 1996

Guyton AC. Tratado de fisiologia médica. 11. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006

Porth CM. Fisiopatologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004

CCI, Nídia Denise; FONTES, Belchor; POGGETTI, Renato Sérgio. Avaliação de um esquema de realimentação utilizado após 43 dias de jejum voluntário. Rev. Nutr. [online]. 2008, vol.21, n.5, pp. 503-512. ISSN 1415-5273. doi: 10.1590/S1415-52732008000500003.


Links relacionados

1. Coisas de Mulher

2. Webmd

3. Brasil Escola

4. Centro Integrado de Terapia Nutricional

5. Saudálito

6. Metabolismo

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória