Fandom

Infomedica Wiki

Fisiologia da puberdade

207 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Discussão0 Compartilhar

Autor: Lucio Slovinski

Colaboradores: Renata Maria Bittencour Drusczc; Sonnie Mejia; Suelen Gasparin


Puberdade

A puberdade é um período que ocorre mudanças biológicas e fisiológicas, é uma fase que prepara o ser humano para a maturação sexual e a reprodução. Essa fase não deve ser confundida como sinônimo de adolescência, pois a puberdade faz parte da adolescência. Neste período, são observadas as seguintes mudanças nos meninos: surgimento de pêlos nas regiões axilares, inguinais e torácicos; aumento em volume dos testículos e tamanho do pênis; crescimento de pêlos faciais; diferenciação da voz; alargamento dos ombros; desenvolvimento da massa muscular; aumento do peso e estatura inicio da produção de espermatozóides. Já nas meninas, as mudanças são: estirão de crescimento, expansão óssea da cintura pélvica; principio do ciclo menstrual; surgimento de pelos nas regiões axilares e inguinais; depósito de gordura nas nádegas, quadris e coxas; desenvolvimento das mamas.


Desenvolvimento das caracteristicas sexuais externas.jpg

Desenvolvimento das caracteristicas sexuais externas

Puberdade Masculina

A puberdade masculina é marcada pelo aumento do volume testicular, o que pode variar dos nove aos 14 anos, quando os testículos atingirem valores iguais ou superiores a 4 ml indicam o inicio do desenvolvimento puberal. Essa fase de transformações é determinada pela ação do eixo hipotálamo-hipófise-testiculo.

A maior parte do controle das funções sexuais dos homens começa com a secreção do hormônio liberador de gonadotropina (GnRH) pelo hipotálamo. Este hormônio, por sua vez, estimula a hipófise anterior a secretar dois outros hormônios: hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH). Por sua vez, o LH é o estimulo primário para a secreção de testosterona pelos testículos e o FSH estimula principalmente a produção de espermatozóides.

A produção de espermatozóides ocorre nos túbulos seminíferos a partir dos 13 anos como resultado da estimulação pelos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. A espermatogônia que são células germinativas imaturas migra entre as células de sertoli em direção ao lúmen central dos túbulos seminíferos. A espematogônia que migra até a camada das células de Sertoli torna-se modificada e alargada para formar os grandes espermatócitos primários. Cada um deles sofre divisão meiótica e forma dois espermatócitos secundários, poucos dias depois, estes se dividem formando espermátides que são modificadas formando os espermatozóides, o que torna o menino biologicamente capaz de ser pai.

No início da puberdade masculina, os testículos, estimulados pelo hormônio luteinizante secretado pelo hipotálamo, iniciam a secreção do hormônio testosterona, que é formada pelas células intersticiais de leydig. Após o inicio da puberdade, quantidades crescentes de secreção de testosterona fazem com que o pênis, o saco escrotal e os testículos aumentem de tamanho, em aproximadamente oito vezes antes dos 20 anos. A testosterona induz o desenvolvimento das características sexuais secundárias masculinas, começando na puberdade e terminando na maturidade. Essas características sexuais secundárias, além dos próprios órgãos sexuais, distinguem os meninos das meninas. A testosterona induz o crescimento de pêlos sobre o púbis, para cima ao longo da linha Alba do abdômen, até o umbigo ou acima, na face (barba), no tórax e menos freqüente em regiões como as costas. A testosterona causa efeito sobre a voz, produzindo hipertrofia da mucosa laríngea e alargamento da laringe. Estes efeitos produzem inicialmente uma voz dissonante, “rachada”, mas esta gradualmente se transforma em uma voz masculina típica do adulto (NELSON, Tratado de Pediatria). O hormônio testosterona aumenta a secreção de algumas glândulas sebáceas do corpo. A secreção excessiva dessas glândulas pode levar ao aparecimento da acne, sendo a mesma uma da característica mais comuns da adolescência masculina. Uma das características masculinas mais importantes é o desenvolvimento da musculatura, com um aumento de cerca de 50% de massa muscular em relação às meninas. Isso se da devido à secreção de testosterona, que aumenta a formação de proteínas e conseqüentemente o desenvolvimento muscular. Com o grande aumento da testosterona circulante durante a puberdade, os ossos crescem consideravelmente mais espessos e depositam grandes quantidades adicionais de sais de cálcio. Assim, a testosterona aumenta a quantidade total de matriz óssea e promove a retenção do cálcio. Fato importante que ocorre diferentemente entre meninas e meninos é o estirão de crescimento, que nos garotos ocorrerá mais no fim da puberdade, em contraste com a menina que tem seu estirão bem no inicio. Isto explica o porquê de, apesar de terem a mesma idade (entre 10 e 14 anos), muitas vezes as meninas são mais altas do que os meninos, e ao atingirem os 16 anos ou mais, os meninos tornam-se mais altos do que as meninas.

Fig 3.jpg

Desenvolvimento sexual interno


Puberdade Feminina

O inicio da puberdade feminina é dado pelo aumento da velocidade de crescimento, que da inicio ao estirão de crescimento puberal, e posteriormente o desenvolvimento das mamas, fato ocorrido entre 8 e 13 anos. O sistema hormonal feminino é determinado pela ação do eixo hipotálamo-hipófise-ovarios.

A maior parte do controle das funções sexuais das mulheres começa com a secreção do hormônio liberador de gonadotropina (GnRH) pelo hipotálamo. Este hormônio, por sua vez, estimula a hipófise anterior a secretar dois outros hormônios: hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH). Por sua vez, o LH e o FSH estimulam a secreção de estrogênio e progesterona pelos ovários.

Na puberdade quando a hipófise anterior inicia a secreção de FSH e LH os ovários começam a crescer e produzir óvulos, e durante cada ciclo menstrual, ocorre à liberação de um óvulo maduro pronto para a fertilização. No início da puberdade feminina, os ovários, estimulados pelo hormônio luteinizante e o hormônio foliculo-estimulante secretados pelo hipotálamo, iniciam a secreção dos hormônios estrogênio e progesterona.

O estrogênio secretado em grande quantidade durante a puberdade causa o cresci emento dos ovários, trompas de falópio, útero e a vagina. Além de ocorrer aumento da genitália externa, com depósito de gordura no monte pubiano e nos grandes lábios e aumento dos pequenos lábios. O estrogênio causa desenvolvimento dos tecidos estromais das mamas, crescimento de um vasto sistema de ductos e depósito de gorduras nas mamas. Os lóbulos e alvéolos das mamas desenvolvem-se até certo ponto sob a influência apenas dos heterogêneos, mas é a progesterona e a prolactina que determinam o crescimento e a função final dessas estruturas (VILLAR, L. & COLS. Endocrinologia Clínica). Os heterogêneos inibem a atividade osteoclastica nos ossos e, portanto estimulam o crescimento ósseo. Na puberdade, quando a mulher entra em seus anos reprodutivos, seu crescimento em altura torna-se rápido durante muitos anos, conhecido como “estirão de crescimento”, entretanto o estrogênio causa a união das epífises com a haste dos ossos longos. Conseqüentemente, o crescimento da mulher geralmente pára muitos anos antes do crescimento do homem. O estrogênio causa também depósito de gordura nos tecidos subcutâneos, sendo que a quantidade de gordura no corpo da mulher é maior do que no do homem, que contém mais proteína. Além do depósito de gordura nas mamas e no subcutâneo, os estrogênios causam depósito de gordura nos glúteos e nas coxas, o que é característico da aparência feminina. Os estrogênios não afetam muito a distribuição de pêlos, entretanto os pêlos se desenvolvem nas axilas e região pubiana estimulados pelos androgênios formados pelas glândulas adrenais femininas.

A progesterona causa inchaço e desenvolvimento secretório no endométrio. E um excesso de substancias secretório acumula-se nas células epiteliais glandulares. A finalidade dessa fase e produzir um endométrio altamente secretor que contenha grandes quantidades de nutrientes armazenados para a nutrição e implantação de um óvulo fertilizado. Se o óvulo não for fertilizado a secreção de estrogênio e progesterona diminui, ocorrendo a menarca, a primeira menstruação da menina. A progesterona também atua sobre as mamas promovendo o desenvolvimento dos lóbulos e alvéolos, fazendo com que as células alveolares proliferem-se aumentem e adquiram uma natureza secretora, entretanto a progesterona não faz com que os alvéolos secretem leite, para isso é necessária uma estimulação adicional do hormônio prolactina.

Fig 2.jpg


Novas Transformações

As transformações físicas que acompanham a puberdade envolvem o desenvolvimento dos caracteres sexuais primários e secundários, as modificações metabólicas e da composição corpórea, além do aumento da velocidade do crescimento estatura. Esses eventos seguem uma seqüência quase invariável de maturação sexual, o final da puberdade coincide com a aquisição da capacidade reprodutiva, a fusão das epífises ósseas e o completo crescimento do indivíduo. Esses acontecimentos, naturalmente não encerram a adolescência. Portanto a adolescência se concretiza na amplitude da evolução da sexualidade até a fase adulta, engloba o processo de desenvolvimento cognitivo até o amadurecimento pleno das faculdades mentais; situa o individuo entre os limites da dependência infantil até a autonomia do adulto, construindo o alicerce, de uma identidade que continua sendo aprimorada para além da juventude, por meio de reformulações constantes de caráter social, sexual, ideológico e vocacional, impostas por uma realidade cultural carregada de prescrições e divergências de valores (LOPEZ, A. F & CAMPOS JÚNIOR, D. Tratado de pediatria).

O adolescente deve encarar todas essas mudanças corporais e psicológicas, com calma e naturalidade, entendendo que esse é um processo obrigatório, porém passageiro. De um modo geral, as dúvidas são freqüentes nesta faixa etária, e a curiosidade aumenta com as novas transformações corporais. Buscar o conhecimento, e principalmente esclarecer todas as dúvidas é fundamental para o bom desenvolvimento físico e psicológico do individuo, que cuidar de sua higiene pessoal é fundamental para evitar constrangimentos sociais, e quando suspeitar de algum problema, procurar imediatamente um profissional médico.


Referências Bibliograficas

VILLAR, L. & COLS. Endocrinologia clínica. 2º Edição. Rio de Janeiro: Editora Medsi, 2001.

JOB, J. C & PIERSON, M. Endocrinologia pediátrica e crescimento. São Paulo: Editora Manoele, 1980.

GREENSPAN, S. F & STREWLER, J. G. Endocrinologia Básica & Clínica. 5º Edição. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan s.a. 2000

NELSON. Tratado de pediatria. 17º Edição. Rio de Janeiro: Editora Elsevier. 2005

LOPEZ, A. F & CAMPOS JÚNIOR, D. Tratado de pediatria, Sociedade Brasileira de Pediatria. 1º Edição. São Paulo: Editora Manole. 2007.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória